Franquia de Bagagens

O Brasil está prestes a deixar o grupo dos únicos cinco países que ainda regulamentam a franquia de bagagem, formado por Venezuela, México, Rússia e China. No resto do mundo, as companhias aéreas são livres para decidirem o que fazer sobre a franquia. Como passaram a ser reguladas pelo próprio mercado, o resultado é que nos países onde há liberdade os preços caíram e a oferta das passagens atende todos os bolsos, especialmente aqueles que desejam realmente viajar barato.


No Brasil, todos os passageiros pagam franquia, despachando bagagem ou não. São 23 Kg nos voos domésticos e dois volumes de até 32 Kg nos internacionais. Nos dois casos, os passageiros poderão levar 10 Kg de bagagem de mão. O custo, dividido por todos, está embutido na composição do preço da passagem. Em 2016, 30,8 milhões de passageiros (do total de 88,1 milhões que realizaram voos domésticos) viajaram só com a bagagem de mão, mas pagaram pelas malas de 57,3 milhões que despacharam. Além disso, em 2015, o peso médio da bagagem despachada por passageiro, quando contados todos os voos domésticos, era de 11,5 kg; e somente em 0,4% destes voos os viajantes transportaram os 23 Kg da franquia.


Vale dizer que as companhias têm liberdade – inclusive – para continuarem oferecendo a franquia de 23 quilos.

É este perfil variado de viajantes que permite às companhias criarem cardápios de oferta para todos os gostos.

Quanto mais direitos obrigatórios são oferecidos, menos as empresas conseguem atender a quem escolhe viagens econômicas.



Desde 2001, quando o governo instituiu a liberdade tarifária, permitindo ao mercado regular os preços das passagens aéreas, foram criados tantos perfis de preços (data da compra, hora da viagem, se é temporada, feriado, etc) que, passados 15 anos, a tarifa média caiu 62% e o número de passageiros triplicou.

O Brasil escolheu viajar de avião a partir da liberdade tarifária. Há 12 anos, 72% dos brasileiros viajavam de ônibus, 28% se deslocavam de avião; hoje, 65% viajam de avião, só 35% de ônibus. Para que o passageiro continue neste voo, a liberdade de escolha é fundamental.

Viaje neste site, feito para que você conheça os motivos porque
as novas Condições Gerais do Transporte Aéreo vão contribuir
para essa escolha.

Entenda como funciona a franquia de bagagem

Voltar ao topo